Conto - Na Beira do Lago


  Ele a levou até a beira do lago em que se conheceram, sentaram no mesmo banco em que trocaram o primeiro beijo, ele à esquerda, ela à direita; tudo perfeito.
  – Carol, te chamei aqui hoje porque tenho que lhe dizer uma coisa importante. Já há muitos dias eu venho tentando lhe dizer isso mas as circunstâncias nunca permitem...
  Ela arregalou os olhos, sonhara com aquilo a vida inteira. Se ajeitou no assento e falou:
  – Tudo bem, Fernando, acho que já sei do que se trata – Ela deu um sorriso emocionado – Eu também ficaria nervosa em seu lugar, mas prometo facilitar as coisas.
  – Que ótimo, você é tão compreensiva... Mas acho que devíamos dar um tempo. Não se trata de você, mas preciso de um momento sozinho para refletir, você entende?
  Ela disse entender, mas assim que Fernando foi embora, suas lágrimas rolaram pelo seu rosto.
  No dia seguinte o corpo pálido de Carol foi retirado do lago por bombeiros, os parentes e amigos foram contatados imediatamente, mas fora Fernando quem chegou primeiro.
  O corpo morto da jovem jazia numa lona amarela estendida sobre o gramado. Fernando se abaixou até próximo de seu rosto e disse:
  – Não adianta fazer charminho, Carolina; eu preciso de um tempo.

***

Nota 1: Quem quiser pegar o texto para uso geral, sinta-se à vontade; apenas me comunique antes e credite ao autor (Arthur Dias) e ao blog (DiscoDiVinil).

Nota 2: Finjam todos que são grandes críticos de literatura e tentem me orientar: critiquem, sugiram mudanças, apontem meus erros e comentem o que acharam do texto.

Nota 3: Esse conto faz parte do projeto "Semana de Mini Contos". Saiba mais sobre o projeto clicando aqui.

26 comentários :

  1. Nossa adorei!, Serio ri muito aqui, você conseguiu tornar algo que seria muito trágico em algo engraçado! Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Muito obrigado, Brunna!
    Fico feliz que tenha gostado. Caso queira, pode ficar à vontade para ler outros contos que já publiquei aqui no blog, ou mesmo esperar pelos próximos que publicarei no decorrer da semana.
    Mais uma vez, obrigado pelo comentário e grande abraço!

    ResponderExcluir
  3. AHUAHUA não sei se achei engraçado ou trágico! Aquela última frase foi muito boa! Gostei :)

    Beijos
    Débora - Clube das 6
    http://www.clubedas6.com.br

    ResponderExcluir
  4. Gostei de quase tudo! Mas não precisa de críticas pois se sentiu necessidade de escrever assim, então assim seras :)

    www.chadecalmila.com

    ResponderExcluir
  5. Haha, gostei.
    O texto traz um impacto trágico, que é aplacado pela frase final.

    ResponderExcluir
  6. Bom, acho que neste conto você não me deixou querendo mais kkkkkkkk, entendi bem qual foi o fim de todos os personagens kkkk.
    Arthur, amei, amei, amei!
    Estou rindo muito... Não imaginava esse desfecho.
    aculpaedosleitores.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Muito obrigado a todos pelos comentários!

    Dé, haha, obrigado por ter gostado do conto. (:

    Camila, pois é, enredos de contos tem dessas coisas... Nem sempre o final feliz é para os personagens. Obrigado pelo comentário. ;D

    Raphael bndzjakyntwdfdn Siqueira, agradeço-lhe a análise e por ter gostado do mini conto.

    Bia, hahaha, nesse deu pra ficar bem claro o desfecho a ponto de liquidar com qualquer possibilidade de continuação. xD
    Fico feliz que tenha gostado e obrigado pelo comentário.

    Grande abraço aos quatro!

    ResponderExcluir
  8. Parecia um conto comum, sem nada de diferente ou interessante até que "O corpo morto da jovem jazia numa lona amarela estendida sobre o gramado. Fernando se abaixou até próximo de seu rosto e disse:
    – Não adianta fazer charminho, Carolina; eu preciso de um tempo."
    Parabéns, Arthur. Não pare de escrever!

    ResponderExcluir
  9. Ei Arthur eu disse que estaria todos os dias aqui, mas ontem acabou que não deu para acessar o blog rs
    Eu adorei o conto, dei risadas hahahahaaah
    O "– Não adianta fazer charminho, Carolina" foi o melhor ;)
    Adorando essa semana.
    Um Super Beijo!

    ResponderExcluir
  10. Faz mal não, Taty; eu mesmo devo estar devendo muitas visitas no ACEDLeitores. xD
    Fico feliz que tenha gostado de mais esse conto.
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  11. hahaha, bacana.
    Eu estava esperando outra coisa, talvez a mesma coisa que ela...
    Adorei o humor negro.

    ResponderExcluir
  12. Eu jurava que seria um conto bem sério, morri de rir com o final.


    http://nostalgiacinza.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Obrigado pelos comentários, Gabi e Laura!
    Fico feliz que tenham gostado do conto e se surpreendido com o final. (:

    ResponderExcluir
  14. Genteee coitada uehuehueheuhuehue parabéns pelo conto..Amei huhuehuheu muito engraçado xD

    Beijos

    http://cantinhodatitania.blogspot.com

    ResponderExcluir
  15. Obrigado por gostar e por comentar, Luana. (:
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  16. Nossa, como já falei, tu é muito criativo! ahahaha, boa.

    ResponderExcluir
  17. Nossa. Ok, hahaha.
    Tudo mundo comentando que morreu de rir, mas eu não. Eu levei um susto! Meus olhos arregalaram e tudo. Estava esperando algo fofinho e triste e BUM!
    Que psicopata, Jesus.
    Hahshahsh, adorei esse conto! O primeiro que eu li que não mudaria absolutamente nada :)
    Beijos!

    ResponderExcluir
  18. Eu não ri - sou uma anormal -
    Concordo com a Alice, ele é um psicopata! Ou posso tentar imaginar que foi algo carinhoso ao jeito dele. Uma despedida que não precisa de lágrimas para ser real (talvez eu tenha devaneado demais...)

    Ana P.M. ♛ Queen Reader - Venha conhecer o Castelo!
    http://booksandcrowns.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  19. Alice e Ana, hahaha, fico feliz que tenham se surpreendido. Esse foi meio que um teste pra eu descobrir se uma frase pode alterar todo o sentimento que o leitor tem ao ler um texto. Acho que funcionou. xD
    Obrigado pelos comentários e grande abraço!
    P.S. Ana, sim, você delirou demais. O cara é um psicopata mesmo, haha.

    ResponderExcluir
  20. Gostei do conto, mas fiquei com uma impressão de que a narrativa foi um pouco apressada, especialmente no momento em que você disse sobre encontrarem o corpo dela e etc. Mas tirando isso gostei do texto, admito que acho que você já escreveu contos melhores, mas o final foi a melhor parte! hehe beijos.
    http://livroscomchadastres.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  21. Eu estou impressionada!
    Que ousado você!

    ResponderExcluir
  22. Gabi, pois é, eu podia ter desenvolvido melhor o final, mas pensei que isso abafaria um pouco o que o leitor estaria sentindo (passaria de "quebra de expectativas" para "porra, a menina morreu!"), e a intenção do texto não era focar na morte de Carolina, mas na paranoia de Fernando. Mas concordo contigo, o final ficou bem corrido mesmo...

    Maria, hahaha, fico feliz que tenha gostado. Obrigado pelo comentário.

    Grande abraço às duas!

    ResponderExcluir
  23. Adoro seus texto e tenho que admitir o final foi engraçado kkkkk

    http://conversas-comsorrisosecafes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  24. Nossa, que final surpreendente para se dizer o mínimo... hahahaaaaa'

    http://joandersonoliveira.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

DiscoDiVinil © 2012-2016 | Versão 3.0 | Todos os direitos reservados

Projetado e editado por Arthur Dias

Tecnologia do Blogger

http://i65.tinypic.com/j9ob41.png