Conto - Otimismo


  Quando roubaram meu carro, eu e Marina ouvimos no ônibus uma moça reclamando sobre a dor de sua afta. Apesar da minha angústia de ter perdido o carro, Marina me falou: “Pelo menos você não está com afta”.
  Quando estava me divorciando, eu e Marina ouvimos no supermercado um rapaz reclamando de um calo. Apesar da minha desolação de perder meu cônjuge, Marina me falou: “Pelo menos você não está com calo”.
  Quando perdi a senha do banco, eu e Marina ouvimos na fila da recuperação de contas um moço reclamando de sua cãibra na perna. Apesar de minha frustração de perder a senha, Marina me falou: “Pelo menos você não está com cãibra”.
  Quando Marina morreu, eu ouvi um casal em seu velório reclamando do sono que o evento lhes estava causando. Apesar da minha dor de perder Marina, tentei dizer para mim mesma: “Pelo menos você não está com sono”, mas não consegui. Fui até o casal e falei: “Pelo menos vocês não perderam a sua melhor amiga”.

***

Nota 1: Quem quiser pegar o texto para uso geral, sinta-se à vontade; apenas me comunique antes e credite ao autor (Arthur Dias) e ao blog (DiscoDiVinil).

Nota 2: Finjam todos que são grandes críticos de literatura e tentem me orientar: critiquem, sugiram mudanças, apontem meus erros e comentem o que acharam do texto.

Nota 3: Esse conto faz parte do projeto "Semana de Mini Contos". Saiba mais sobre o projeto clicando aqui.

17 comentários :

  1. Que lindo, triste mais lindo. Amei de verdade, parabéns :) Meu sonho é saber escrever bem :/ mas comigo não funciona tão bem quanto com você haha Beijos

    http://memoriasdeumaleitoraa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Obrigado, Suzane!
    Minha escrita também não é lá essas coisas... Muita coisa eu aprendi depois de publicar meu primeiro conto no blog (os comentários fazem seus textos melhorarem. Tanto pelas dicas quanto pela vontade de escrever algo melhor da próxima vez).
    Então, já que você tem vontade de saber escrever um pouco melhor, escreve um texto meia-boca e publica, peça para os seus leitores criticarem e saiba aproveitar o comentário de cada um.
    Enfim, obrigado pelo comentário e grande abraço!

    ResponderExcluir
  3. Own =(
    Um conto tão pequeno, mas com tanto significado.
    As vezes reclamamos de algo tão superficial, e tem tanta gente com problemas maiores que o nosso né?!
    Adorei o conto, me deixou mega pensativa...
    Um Grande Beijo!
    http://aculpaedosleitores.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Ja li um conto sobre esse casal aqui, maldade sua matar Marina ;(

    e á propósito, gosto dessa simplicidade e economia com as palavras que você usa, continue assim

    http://pequenamiia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Taty, que bom que gostou. (:
    Eu estava mega pensativo também, quando escrevi o conto, então fico contente em saber que eu soube transmitir esse sentimento através do texto. Obrigado pelo comentário.

    Miiah, o casal ao qual você se refere é outro. Eu tomo um certo cuidado para não repetir nomes e essa é a primeira vez que uso Marina. Outra coisa é que nesse conto não está retratado um casal, são duas amigas (só revelei isso no final, por meio da frase "tentei dizer para mim mesma"; o objetivo foi tornar o início do texto universal, podendo o narrador se tratar tanto de um homem ou uma mulher, pois isso não tinha importância até então. Precisei revelar que era uma mulher no final para aproximar o leitor da história, sabendo mais sobre ela, e então criar a emoção em cima disso).

    Obrigado às duas pelos comentários e elogios. Grande abraço!

    ResponderExcluir
  6. Lindo, triste, emocionante... Parabéns! Adorei ;)

    ResponderExcluir
  7. Que bom que gostou, Samuca. :D
    Abraços!

    ResponderExcluir
  8. Lindo conto Arthur! Adorei a Marina e seus "pelo menos vc não...". O desfecho do conto foi perfeito :)

    Beijos
    Débora - Clube das 6
    http://www.clubedas6.com.br

    ResponderExcluir
  9. Obrigado, Dé!
    Que bom que gostou do conto. (:
    Abraços.

    ResponderExcluir
  10. Ok, ou você está evoluindo mesmo, ou você nasceu para escrever contos "mini".
    Mais uma vez, não mudaria nada!
    Beijos!!

    ResponderExcluir
  11. Acho que esse foi o mais tocante. Fiquei aqui parada olhando para o conto por alguns minutos. Principalmente porque eu tenho uma amiga que falaria esse tipo de coisa. E talvez eu decididamente não tivesse o sangue frio da amiga da Marina. Sou mais do tipo que faz um escândalo e gosta de matar e torturar pessoas - hipoteticamente -.

    Ana P.M. ♛ Queen Reader - Venha conhecer o Castelo!
    http://booksandcrowns.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Alice, muito obrigado. Grande abraço!

    Ana, agradeço-lhe o comentário e fico feliz em saber que consegui tocar você de alguma forma com esse conto. Abraços.

    ResponderExcluir
  13. Achei esse conto simplesmente encantador. Comecei lendo achando que se tratava de um protagonista do sexo masculino, mas o fato de serem duas amigas acabou tornando, pra mim, ainda mais triste. Adorei, Arthur!

    ResponderExcluir
  14. Bastante tocante e nos faz refletir. Será que muitas vezes não reclamamos sem parar para pensar muitas vezes há coisas piores?

    ResponderExcluir
  15. Gabi e Maria, que bom que gostaram do conto! :D
    Grande abraço às duas!

    ResponderExcluir
  16. Precisamos de mais pessoas como Marina! Vendo sempre o lado bom da vida!

    http://joandersonoliveira.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

DiscoDiVinil © 2012-2016 | Versão 3.0 | Todos os direitos reservados

Projetado e editado por Arthur Dias

Tecnologia do Blogger

http://i65.tinypic.com/j9ob41.png