Conto - Maldito Mosquito


  Voltei do trabalho louca pra tomar um banho, estava um calor de matar e eu só pensava em me refrescar e então sair pra tomar um sorvete ou uma cerveja. Abri a porta de casa e...
  – Espera aí, amor! Entra devagar!
  Entrei e fechei a porta depressa, fiquei encostada nela, toda preocupada.
  – Droga, Clara! Perdi o mosquito!
  – O quê? – Reparei que os móveis estavam todos revirados – Marco Aurélio! Que zona é essa?!
  – Calma aí, você já me fez perder o infeliz, não vai ficar nervosa agora né?
  – Fez essa arruaça toda só por causa de um mosquito? Onde está com a cabeça?! Saiba que eu não vou arrumar nada disso!
  – Xiiiiiiiiu! Achei ele! – Ele sussurrou, quase não emitindo som algum.
  – Xiu você vai fazer pra sua mãe, Marco Aurélio! Tá pensando que eu sou o quê?!
  – Merda! Perdi ele de novo!
  – Tá mesmo mais preocupado com esse mosquito do que comigo?
  – Você tá bem?
  – É claro que estou bem, mas...
  – Então está ótimo. Cadê aquele bicho?!
  Ele ia agachado pelo chão, procurando o pobre mosquito por toda parte.
  – Mosquito não rasteja, Marco Aurélio.
  – Eu sei né! Mas acho que já consegui machucar ele um pouco, deve estar debilitado.
  – Você está travando uma guerra mesmo com esse coitado né!
  – Coitado não! Inseto ordinário da natureza!
  Ele andou até um canto da sala e eu pude ver que sua canela estava toda picada.
  – Meu Deus, amor! – Andei até ele – Esses mosquitos estão te comendo vivo!
  – Ah, pois é! – Ele deixou de procurar o mosquito por um minuto e me deu um selinho – Está ali! – falou quase cuspindo minha saliva de volta na minha cara.
  Entrei pro meu quarto, determinada a tomar meu merecido banho, quando vi uma aranha enorme pendurada na parede.
  – Marco Aurélio! Tem uma aranha no nosso quarto!
  – Cacete, Clara! Que droga! Espantou o mosquito outra vez!
  – Mas a aranha! Você tá preocupado com esse mosquitinho enquanto tem uma aranha maior que meu polegar na nossa parede!
  – Preocupa não, a aranha tá do nosso lado.
  – O quê?
  Ele deixou mais uma vez sua caçada e se dirigiu a mim.
  – Amor, aranhas comem mosquitos! Se eu não conseguir pegar o mosquito a aranha pega!
  – Não acredito que você vai deixar aquela aranha no nosso quarto por causa de um mosquito! Eu preciso tomar banho!
  – Usa o outro banheiro.
  – Nós nunca usamos o outro banheiro! Ele está com o ralo entupido há uns dois meses e até hoje você não arrumou!
  – É que...
  – Não venha usar o mosquito como desculpa outra vez!
  – Não, é que o problema do ralo não é que ele está entupido, é com o encanamento mesmo, levaria muito tempo pra consertar.
  – E por que tá me dizendo pra ir tomar banho lá então?
  – Ai, Clara, estou sendo irônico né! Vai tomar banho no nosso banheiro mesmo, a aranha não vai sair voando pra cima de você.
  – Como um mosquito faria?
  – Exatamente como um maldito mosquito faria! – E ele voltou a procurar o animal.
  Voltei para o quarto, coloquei apenas a cabeça para dentro e não vi mais a aranha.
  – Ai, querido! A aranha sumiu!
  – Que ótimo! Então vai tomar banho!
  – Não! Agora é que eu não vou mesmo! Antes eu sabia onde ela estava, agora ela pode estar em qualquer lugar!
  – Você é complicada, hein, Clara! Deixa só eu matar esse mosquito e vou lá cuidar da aranha.
  – Você está tentando matar o mosquito há quanto tempo?
  – Meia hora, mais ou menos.
  – O quê?! E até agora nada?
  – Quando eu finalmente achei o safado você chegou né!
  – Então vamos fazer o seguinte, vamos comprar uns inseticidas, bater aqui na casa e sair pra tomar sorvete enquanto o produto faz o trabalho por nós.
  – Não, agora eu quero matar o vagabundo!
  – Marco Aurélio, que merda! Por que não podemos fazer isso do jeito mais fácil?
  – Porque eu dei o meu suor pra matar esse bicho, olha o fuzuê que eu já fiz nessa casa. Preciso matar esse mosquito eu mesmo. Minha honra depende disso.
  – Que mané honra, Marco Aurélio?! Se os cavaleiros antigos tivessem metralhadoras eles não estariam nem ligando pra honra!
  – Pode ser, mas eu sim.
  – Ai, que saco! E eu vou ficar fazendo o que até você achar esse mosquitinho?
  – Podia tentar me ajudar. Mas se achar, deixa que eu mato.
  – Santo Pai! Fazer o que né...
  – Pode começar por esse quadrante aí.
  – O quê? A cozinha?
  – Isso.
  – Então só fala “começa pela cozinha”, não precisa me transportar pro seu campo de batalha psicótico.
  – Tá, tá... começa pela cozinha.
  Me agachei e comecei a procurar pelo bendito mosquito também.
  – Escuta, mas como ficaria sua honra se a aranha comesse o seu mosquito?
  – Bom, ainda não havia pensado nisso. Seria uma merda. Acho que eu seria capaz de procurar outro mosquito pra matar.
  – Tá me zoando né?
  – Claro.
  – Ah bom.
  – Por quê?
  Porque achei seu mosquito. E achei minha aranha. E achei uma lagartixa. Mas nosso gato, o Félix, achou todos eles primeiro.

Autoria: Arthur Dias

***
Nota 1: Quem quiser pegar o texto para uso geral, sinta-se à vontade; apenas me comunique antes e credite o autor (Arthur Dias) e o blog (DiscoDiVinil).

Nota 2: Finjam todos que são grandes críticos de literatura e tentem me orientar: critiquem, sugiram mudanças, apontem meus erros e comentem o que acharam do texto.

43 comentários :

  1. Hilário, esse personagem sou eu! eu vivo cravando guerras com os mosquitos daqui de casa!! e nunca consigo matar, até que desisto '-' continue escrevendo! adoro suas publicações!

    ResponderExcluir
  2. Hahaha, somos nós dois então!
    Caço eles até sumirem, daí quando vou dormir eles voltam. Haha
    Muito obrigado por gostar e por comentar, vou começar a publicar duas vezes por semana quando possível.
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  3. haha, muito bom... fiz isso ontem uff (malditos bichos).
    Muito legal mesmo Arthur, me avisa sempre que eu corro pra ler.
    Bjão
    http://nomeiodoslivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Adorei, simplesmente adorei! É a minha cara, rs. Muito bom. Continue escrevendo. É difícil eu gostar de algo e dessa vez eu gostei :D
    Beijos.

    http://minhas-serendipidades.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Muito obrigado pelos elogios, Lais e Rafaela!
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  6. Adorei o conto Arthur! Acho que sou uma mistura de Clara e Marco Aurélio , fico a mesma coisa para matar aquele maldito bicho que não deixe a gente em paz >< , mas quando vejo uma aranha , também já saio de perto haha.
    Ainda continuo apostando na ideia de continuação , ou uma coleção de contos! Sem dúvida , você tem talento :)
    Beijo.
    http://livros-com-pipoca.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Obrigado Lí!
    Haha, acho que todo mundo detesta os mosquitos tanto quanto o Marco Aurélio!
    Quanto à continuação, eu ainda não fiz a do primeiro conto, e acho que também não farei. Sou mesmo péssimo para continuações. Estrago toda a história... Mas vou publicando mais muitos contos aqui e acabará formando uma coleção :]
    Abraços!

    ResponderExcluir
  8. Olá Arthur, MUITO BOM seu conto.
    Juro, imaginei mil coisas e não conseguia chegar a uma conclusão, você me surpreendeu e para o lado positivo.
    É óbvio que isso pode-se esperar de muitos homens, acho que a maioria deles, agiriam dessa forma: "Questão de honra"
    Parabéns pelo conto, espero que você continue a escrever mais e nos divirta.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  9. Oi Bruna,
    Muito obrigado!
    Que ótimo que você gostou da conclusão, porque esse é mais um ponto que eu acabo sempre pecando... Geralmente começo um texto bem, aí ele vai ficando morno e quando vou arrematar, tento pensar numa conclusão que salve o desenvolvimento, mas acabo simplesmente arquivando o conto e partindo pro próximo. Significa muito mesmo pra mim que tenha gostado.
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  10. Adorei seu conto, Arthur! Consegui imaginar perfeitamente os personagens e eu tava rindo com toda a situação hahaha muito bom mesmo, continue assim!
    Beijo!

    http://livroscomchadastres.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  11. Obrigado por comentar, Gabi!
    Que bom que gostou do conto e das situações.
    Tentarei continuar assim xD
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  12. Hahaha! Adoro contos assim, Arthur, esse está melhor do que o outro. Por favor, faça mais contos, engraçados e cômicos. Adorei! Parabéns pelo trabalho!

    http://blogliterariopalavrasaovento.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Muito obrigado, Samuca!
    Se este está melhor é sinal de que não estou perdendo a manha ainda, haha. Continuarei publicando contos, talvez lance mais um ainda nesse ano.
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  14. Hahahahah Adorei o final! Não gosto muito de textos que, em sua maioria, são diálogos, mas realmente funcionou nesse caso, deixou dinâmico, como a situação seria mesmo. Bem divertido, eu gostei (:

    http://sobrelivroseletras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  15. Obrigado pela aprovação, Aline!
    Geralmente escrevo mais diálogos que narrações. Não sei por que, mas me canso muito fácil ao ler contos divididos em parágrafos muito longos e que detalham muito os personagens, física a emocionalmente. Prefiro criar personagens planos num primeiro momento e que se aprofundam no decorrer do texto do que já apresentar um personagem completo na introdução. Ainda bem que esse meu método tem funcionado, haha.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  16. HAHAHAHA, adorei!
    " – Pode começar por esse quadrante aí." ri litros :P

    ResponderExcluir
  17. Hahaha
    Que bom que gostou, Desirée!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  18. KKKKKKKKKKKKKKKKKKK morri de rir. Me identifiquei com o Marco Aurélio, pq eu adoro matar mosquito kkk E eu fico louca que nem ele, se eu for dormir antes de matar todos que estiverem azucrinando meus ouvidos.
    Enfim, adorei o senso de humor e o final foi demais haha
    Transformou uma coisa simples em algo muito bom, parabéns.
    Mar,
    http://sonambulismoliterario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  19. Muito obrigado, Marmel!
    Também sou assim, mas eu não tenho tanta perseverança, costumo desistir e deixar o mosquito em paz, até que ele venha me azucrinar de novo! Haha
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  20. Adorei! Ri demais com a Clara e o Marco Aurélio, definitivamente deveria ter mais contos com eles #FicaaDica ;)

    Beijo*



    http://brunnavieeira.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  21. Haha, pode ser...
    Quem sabe depois eu coloco eles em mais uma história cômica assim (:
    Obrigado por comentar!
    Abraços.

    ResponderExcluir
  22. Sensacional!
    Um conto melhor que o outro, definitivamente você leva jeito, Arthur!
    Me identifiquei com a Clara. "– Mosquito não rasteja, Marco Aurélio." Ri demaissss! kkkkkk
    Muito bom!
    Beijos

    Aline
    literalizandosonhos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  23. KKKKKKKKK PQP. Morri com o fim.
    E eu me vi no lugar do Marco, aliás o mosquito senta em mim e fico toda inchada, mas eu sou a unica que mata mosquitos e todos os insetos que entra em casa (triste realidade). Adorei! Quero mais!

    ResponderExcluir
  24. Hahaha
    Aqui em casa pelo menos todo mundo ajuda a matar o mosquito, haha.
    Obrigado por gostar e por comentar, vou continuar postando sim, pode esperar ;)
    Abraços.

    ResponderExcluir
  25. Julgando pelo aspecto literário, ficou bem legal, a cronologia sempre em frente e as pausas que levam o leitor a desgrudar do suspense, quando faz o personagem sair da caçada pra dar atenção à mulher. Parabéns!

    Abraço, Miguel. Parágrafos e Capítulos.

    ResponderExcluir
  26. Muito obrigado pelo comentário e pela análise, Miguel. (:
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  27. Arthur Adorei, eu nunca imaginei que teria aquele fim kkkkkkkkkkkkk
    Parabéns pelo Conto!
    Bjs!
    http://aculpaedosleitores.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  28. Gostei imenso =) Continua escrevendo e não pares! Bjs
    http://portaoazul.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  29. Muito bom...achei engraçado...e parabenizo sua versatilidade em escrever algo completamente diferente um do outro.

    ResponderExcluir
  30. Obrigado pelos elogios, Ana e Pan.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  31. Hahahahaha Caramba, muito bom seu conto, parabéns! Ficou super engraçado e o fim foi brilhante! Continue assim. :D
    Beijos, Lery.
    http://lerissakunzler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  32. "Amor, aranhas comem mosquitos! Se eu não conseguir pegar o mosquito a aranha pega!" adorei essa parte!
    Gostei muito do seu conto, achei bem engraçado. Não costumo gostar de textos que se resumam somente em diálogos, mas gostei muito deste :D

    comodevorarlivros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  33. Olá, boa tarde :D
    Adorei seu conto! Diferente,engraçado e inusitado *-*
    Parabéns, você escrever bem :)
    Beijinhos e boas leituras.
    Isabelle - http://attraverso-le-pagine.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  34. Meu pai trava guerra contra mosquito quase todos os dias! Ele não sossega enquanto não se livra deles! Já insetos maiores como aranhas e lagartixas, ele não se importa!
    kkk é nessa hora que um gato faz falta aqui em casa xD
    Um grande beijo, vou acompanhar suas publicações ^-^
    http://zuttokawaii.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  35. Ótimo! hahaha. Hoje mesmo eu tava doida atrás de um mosquito que não me deixava dormir. Aliás, sempre tem um infeliz querendo me acordar de manhã. Parabéns, adorei! Só que, olha, tenho dois gatos e eles nunca me ajudam, viu? haha
    Beijos,
    http://gotas-de-fogo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  36. Arthur, você é genial cara!!! Tem talento de verdade! Veja só quantos comentários você conseguiu nos seus posts! E é porque só tem 4 ou 5 contos. Imagine quando você escrever uns cem. E sua desculpa de que não consegue fazer finais satisfatórios, depois desse conto foi por água a baixo! Sua criatividade é fantástica! Quem poderia imaginar que um gato seria o grande herói da história? kkkkkkkkk
    Parabéns!

    PS- E não deixe de pensar com carinho em prolongar o conto da simplicidade OK? Sei que em breve você publicará seu livro. E serei um dos que estarão lá na fila pra você autografar. há, há, há, rá....

    ResponderExcluir
  37. Ah! Outra coisa que esqueci: na nota 1 dos seus posts, é "credite AO autor e AO blog" OK?
    E também estou lhe comunicando que vou publicar esses textos lá no meu blog OK? Claro que não poderia deixar de creditar ao autor a autoria. E citarei o blog também lincando o título.

    http://verdadesdeumser.blogspot.com.br/ (Verdades de um ser)

    ResponderExcluir
  38. – Que ótimo! Então vai tomar banho!
    – Não! Agora é que eu não vou mesmo! Antes eu sabia onde ela estava, agora ela pode estar em qualquer lugar!

    Eu ri muito nessa parte. Criativo!

    ResponderExcluir

DiscoDiVinil © 2012-2016 | Versão 3.0 | Todos os direitos reservados

Projetado e editado por Arthur Dias

Tecnologia do Blogger

http://i65.tinypic.com/j9ob41.png